Falhas da Observação Direta

FALHAS DA OBSERVAÇÃO DIRETA

A higiene das mãos é amplamente reconhecida como sendo o aspecto mais significativo na redução de infecções associadas aos cuidados de saúde (IACS). Hoje, no Reino Unido, aproximadamente 300.000 pacientes[1] contraem uma doença enquanto são tratados em instalações de saúde, custando ao Sistema Nacional de Saúde (NHS) £ 1 bilhão por ano. Com os custos das IACSs subindo vertiginosamente, é essencial que todas as partes interessadas do NHS se empenhem para lidar em conjunto com a questão das IACS.

Embora a observação direta seja atualmente a norma para monitorar o comportamento de adesão à higiene das mãos em hospitais, os mesmos registram de forma incorreta taxas de 90% de conformidade em eventos relacionados com a higiene das mãos.[2]

Uma pesquisa recente[3] revelou que 98% das instituições hospitalares estão de fato usando a observação direta, com 95% das mesmas afirmando que rastrearam todos os “5 Momentos” de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde. No entanto, apenas 30% afirmaram que acreditam que a observação direta seja uma boa abordagem para validar essa importante informação. 

Resultados imprecisos e não confiáveis

Na observação direta, é impossível captar todos os momentos da higiene das mãos. Na verdade, são detectados apenas 1,2% a 3,5% de todos os eventos de higienização das mãos que ocorrem em uma unidade de saúde.[4]

No entanto, está comprovado que esse efeito fez com que as taxas de adesão à higiene das mãos fossem superestimadas em até 300%.[5] Já os sistemas eletrônicos são capazes de registrar e capturar 100% dos dados de higiene das mãos para fornecer resultados em tempo real com base nos “5 Momentos” da OMS, fornecendo assim um quadro real da adesão à higiene das mãos e hábitos correspondentes.

Um recente Estudo de Referência How2 analisou o emprego de três técnicas; os resultados demonstraram que a observação direta apresentou taxas de adesão de 90-95%, enquanto a monitoração por vídeo foi significativamente menor, apenas 65%. Também foi implantado um sistema de monitoramento eletrônico, que tem se mostrado estatisticamente tão eficaz quanto o monitoramento por vídeo, quando avaliado em relação aos “5 Momentos” da OMS.

 

Falso comportamento

A observação visual pode causar o efeito Hawthorne, que é a alteração de comportamento pelos indivíduos de um estudo devido ao fato de se sentirem observados.

É mais provável que os profissionais de saúde modifiquem seus padrões de comportamento se souberem que estão sendo observados diretamente e retornarem à rotina original de higiene das mãos quando a observação for encerrada, e isso leva a um registro impreciso de dados de conformidade de higiene das mãos

Dispendioso

Os métodos de observação direta são caros, pois exigem mais recursos e tempo da equipe. Mais importante ainda, se a higienização das mãos não estiver sendo monitorada corretamente, os hospitais correm o risco de enfrentar um aumento das IACSs, elevando assim os custos e colocando em risco a segurança do paciente. 

Desperdiça tempo útil

A observação direta desvia a atenção da equipe de seu trabalho e interfere em seu fluxo de trabalho. Por outro lado, um sistema de monitoramento eletrônico fica integrado na rotina dos funcionários da área de saúde e, portanto, não desperdiça seu tempo nem causa distração.

Devido à natureza artesanal da observação direta, os relatórios geralmente não são entregues em tempo hábil para permitir mudar o comportamento com rapidez suficiente. 

A solução

Embora no passado, a observação direta fosse considerada o "padrão ouro", muitos estudos provaram que esse método é altamente impreciso e pouco confiável. Os sistemas eletrônicos de higiene das mãos garantem taxas mais precisas de adesão à higiene das mãos que, por sua vez, ajudarão a salvar vidas através da redução de IACSs.

Tecnologia revolucionária para obter melhores resultados

Visto que apenas 30% dos responsáveis pela Prevenção das Infecções acreditam que a observação direta representa uma abordagem positiva, além do fato de que 46% classificaram o monitoramento da higiene das mãos como uma prioridade da Administração do hospital nos próximos 12 meses, é evidente que o uso de sistemas eletrônicos para higiene das mãos proporcionará um ambiente de saúde mais seguro para funcionários e pacientes. 

Nossa mensagem é simples: Deixe os sistemas eletrônicos operarem naquilo que fazem bem: ficam acordados 24 horas por dia, 365 dias por ano; enquanto os humanos atuam naquilo em que são bons: intervenções positivas e treinamento da equipe para maximizar os esforços de adesão à higiene das mãos, reduzindo as IACSs. 


Compartilhe:



TOPO